Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

julho 13, 2009

Soçobrar

Aqui jaz um cadáver
Que já foi alguém outrora
E a terras distantes
Hoje parte sem mora

Sem nome, sem história
Rebento da noite
Crescido no açoite
Do luar se enamora
Emoção ilusória
Em estilhaços se quebra
Ao torpor se entrega
Desfalece a memória

Do vinho ao veneno
Sorve em busca de alento
A cicuta escarlate
Joga as mágoas ao vento
Faz do discurso dislate
Embriaga-lhe a mente
Deixa pronto ao abate
Bem-estar provisório
Enquanto aguarda sua sorte:


E ao final, só sobra a morte.

Autor: Jarbas Lima Alves da Silva

(Apenas ao descartar a vida é que se aprecia a beleza misericordiosa da mais bela das damas)

5 comentários:

Rosane ! disse...

Ahhhh.... meu Deus !!! faz um século que não entro no meu blog e de repente descubro que vc voltou a escrever !!!
Que maravilha... mais um incentivo pra eu continuar nesse mundo blogueiro. Adoro seus escritos !!!
Saudades !!!
Bjos.

Carol Wolff disse...

Olá querido! Como vai?? Quanto tempo...
Eu sumi completamente do blog desde o ano passado, devido a muitas coisas que me aconteceram, mas agora retornei heheh ^^''
Estou feliz em ver e saber que você continua escrevendo, postando e atualizando o blog!
A poesia do post é lindaaa...

Visite-me quando puder

Küsse ;**

Mimi rocks disse...

Você voltou!
Não sabe o quando estou contente por isso e.. aquela ali é a morte do sandman (quase tive um ataque com tudo isso).
Que bom que voltou!

E não é permanente não, digamos que a inspiração não anda muito afim de me ver. Não consigo escrever mais que três linhas, ou menos.
Mas eu não desisti... não ainda.

E, obrigada por aparecer.

Beijo de sua amiga...

Kuromi Markgraf

Rosane ! disse...

oi... se eu soubesse que vc iria comentar aquele meu post não teria apagado, adoro ler suas palavras. Aquilo era apenas um desabafo em um momento de cansaço. Achei que as pessoas não precisavam me "ler" daquelo jeito, depois de uns dias quando li novamente, me senti um pouco exposta, e resolvi apagar, na verdade às vezes, me sinto bem exposta com todo o meu blog, exponho uma parte de mim que ninguém conhece, nem eu mesma.
Bjos.

Iza disse...

Nunca deixei de te acompanhar. quando vi aquele post "Adeus" achei que você queria apenas ficar só. Fugir da Net. continuei lendo depois que você voltou.

Agora o Diário de Iza tem o propósito de contar o que acontece mas, de uma forma que não me exponha demais.

Um beijo!