Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

julho 13, 2009

Soçobrar

Aqui jaz um cadáver
Que já foi alguém outrora
E a terras distantes
Hoje parte sem mora

Sem nome, sem história
Rebento da noite
Crescido no açoite
Do luar se enamora
Emoção ilusória
Em estilhaços se quebra
Ao torpor se entrega
Desfalece a memória

Do vinho ao veneno
Sorve em busca de alento
A cicuta escarlate
Joga as mágoas ao vento
Faz do discurso dislate
Embriaga-lhe a mente
Deixa pronto ao abate
Bem-estar provisório
Enquanto aguarda sua sorte:


E ao final, só sobra a morte.

Autor: Jarbas Lima Alves da Silva

(Apenas ao descartar a vida é que se aprecia a beleza misericordiosa da mais bela das damas)