Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

outubro 09, 2008

Chico Moeda

"Pensando no consumismo desenfreado que assola nossa sociedade, resolvi escrever um mini-conto que retrata como as pessas se avaliam nesse admirável novo mundo onde a moral é ditada pelo capital"


Para ele, tudo possuía um valor monetário. Vidas, mortes, idéias, sonhos, amizades, amores... Não havia coisa que não pudesse tornar valiosa com uma calculadora em mãos.

Um dia, seu amigo lhe perguntou:

- E você, Chico, quanto vale?


A conta em si era simples: bastava pegar tudo aquilo que a pessoa tinha o potencial para ser e dividir por aquilo que ela efetivamente era.

O homem pensou, multiplicou, dividiu, achou o “x”, cancelou o “y”, dividiu por “z”, fatorou... Verdadeira orgia numérica.


Finalmente chegou ao resultado: o visor de sua calculadora pulsava com os dizeres “Impossível dividir por zero”.

Autor: Jarbas Lima Alves da Silva

(O valor de alguém não pode ser mensurado em moeda ou palavras, apenas por ações)

23 comentários:

Prolixo Lacônico disse...

gostei da mensagem...
pequeno e esclarecedor...

quando puder..
www.prolixo.com

Whatyla disse...

Muito bom o post.
Otimo.

Joey disse...

Muito bom!

Direto e Real!

muitos acham que pode se comprar tudo,
que tudo tem um valor monetário.



visite:
http://webfuel.blogspot.com/

Flá Absolut disse...

Muito, mas muito bom e diretoooo

ederDBZ disse...

por acaso vc assistiu o filme O SEGREDO e teve a idéia de fazer esta postagem ??
Com todo respeito, um texto excessivamente correto, cheio de clichês batidos e desnecessários...

Hugo Ceregato disse...

Discordo em partes, a palavra vale tanto quanto a ação, hitler que o diga.

Texto muito foda, cara.

niagarafools disse...

Oi vizinho!
Vou te dizer o que eu ouvi de um economista no Sem Censura da TVE: se você tiver um dinheiro sobrando e QUE NÃO VAI TE FAZER FALTA!!! é hora de comprar ações estáveis como a Petrobrás e a Vale. O problema é que não dá pra prever o quanto essa crise vai durar. Por isso, tem que ser um dinheiro bom e que você não vá precisar pra dois meses, por exemplo. Tem que deixar lá por bastante tempo.
É uma aposta.

bjks!
ps. obrigadinha pela visita

Cleiton disse...

As pessoas se vendem por tão pouco nesse mundo xulo e capitalista!

Esse teu texto mostra exatamente que não existe valor mensuravel para o ser humano!

Parabens cara! òtimo texto


http://gregoryzairuz.blogspot.com/

Gabriela! disse...

Gostei do texto que apesar de pequeno é bem direto! (:

ana lucia nicolau disse...

acho que o valor da pessoana nos sentimentos, que geram pensamentos que resultam em boas ações.

Ana Lucia disse...

ops arrumando...
acho que o valor da pessoa está nos sentimentos, que geram pensamentos que resultam em boas ações.

Diógenis disse...

O mundo sempre foi, é e sempre será assim, infelizmente. E a cada dia que passa a situação tende a piorar.

;P

dinheiro, dinheiro e dinheiro.

www.fator-d.blogspot.com
passa lá !

Fábio Flora disse...

Meu personagem favorito dos quadrinhos? O Tio Patinhas! Quer avarento mais adorável? Também adoro aquela música do ABBA, "Money, money, money"! Uma delícia!

Rindo Na Net disse...

texto muito bom..
parabens..
voce escreve muito bem mesmo..
sucesso..



http://rindonanet.blogspot.com/

Feänor disse...

Ederdbz: Nunca assisti O Segredo nem nada similar. Não gosto de auto-ajuda e nada do tipo.

Fora isso, sua opinião, seja crítica ou não, desde que fundamentada, é sempre bem-vinda.

Blogueiro Lecal disse...

ótimo Texto

Jéssica Torres disse...

Ai como eu estava com saudades daqui e de me deleitar com os teus textos!
Acho que você nem lembra mais de mim e do meu antigo Devaneios Bobos!
Mas enfim, mais um texto que macula a paz de nosso espiritos acomodados!

"Faz-me refletir e a ti serei eternamente grato"

Jéssica Torres disse...

Que alegria saber que você não esqueceu dessa amiga relapsa! Gostaria de ter voltado antes aqui, mas o motivo de não o ter feito é o mesmo pelo o qual acabei com o Devaneios Bobos...

Tive que começar a levar a minha faculdade ainda mais a sério. Foi na verdade um paradoxo, quando eu resolvi levar a minha vida menos a sério para conseguir levar mais a sério as vidas que futuramente dependerão de minha intervenção. E por isso a faculdade acabou (e ainda é assim) por consumir todo o meu tempo disponível.

Mas com o passar do tempo, com o cansaço muito mais mental do que físico começou a se aponderar de mim eu tive que criar um "bode expiatório", algo pra fazer que fosse completamente diferente da minha rotina! Então, nada melhor do que administrar um blog! E foi ai que nasceu o "Oh La La",que ainda se encontra em fase de testes!

E para responder as tuas perguntas(que para mim nem de longe são um incômodo), eu estou bem, na medida do possivel... Cansada apenas, na verdade muito cansada!Como já tinha dito antes, cansada mentalmente e ouso dizer até espiritualmente, mas tentando me recuperar.
Esse tempo todo que me estive longe não fiz outra coisa a não ser me dedicar inteiramente à faculdade!
Na verdade tem Otávio também (lembra dele?), mas no tempo que me afatei passamos mais tempo separados do que juntos. Mas nesse quesito, depois de muita briga, choro, e angustia, tudo foi resolvido... (Acho até que ficaram alguns ressentimentos de minha parte, mas em nome da nossa felicidade juntos eu procuro evitar pensar e transparecer isso)

Agora eu quero saber de você! Como você está, porque se afastou, como vão as coisas agora?!
(Agora é minha vez de pedir perdão pela inconviniência das perguntas!)

Beijos
Jeh

Jéssica Torres disse...

Você não tem nada de péssimo ao analisar um texto! Na verdade você é uma das poucas pessoas que sempre conseguem me entender através do que escrevo!

Eu sempre digo que ler vai além do óbvio, é preciso ter a sensibilidade de perceber os sentimentos que o autor quis passar nas entrelinhas, e nos meus textos você faz isso como ninguém mais consegue fazer!

E quem não tem momentos tristes meu caro? Posso tentar não transparecer, porque procuro deixar o passado no passado, mas se cada momento triste de minha vida me valesse um bom texto eu seria uma escritora renomada! Já vivi grandes decepções, perdas insubstituíveis, meu pobre coração e alma quebrados e pisoteados inúmeras vezes!
Mas sábio é aquele que aprende com as adversidades não é mesmo?

Quando escrevi o texto "Solitária", eu estava mesmo muito chateada. Meu trabalho científico sobre Anencefalia tinha acabado de ganhar o primeiro lugar de um congresso realizado aqui. Até ai tudo bem, estava feliz de ter conseguido, tinha tido muito trabalho pesquisando a respeito, consultando advogados, médicos e psicologos, dias e mais dias perdidos tentando montar uma apresentação digna de primeiro lugar, e agora ia ter meu trabalho duro reconhecido! Mas que surpresa e decepção a minha quando chamaram apenas a minha amiga, que tinha apresentado o trabalho, para receber o prêmio, e que somente ela ia ganhar o certificado!

Não sou de desmoronar tão fácil, mas nesse momento eu só pude levantar e ir pra casa chorar meu cansaço e frustração. Me permiti esse momento de fraqueza, e deixei extravassar tudo o que incomodava, todas as noites de sonos perdidas, tudo o que havia me levado a ceder a apresentação à minha amiga que tinha implorado pra poder apresenta-lo. Lógico que ela também participou de todo o trabalho, mas ambas sabemos que o trabalho maior ficou todo para mim... E do fruto dessa decepção e frustração nasceu o texto "Solitária".

Mas enfim, já passou, hoje só ficou mesmo a felicidade do meu trabalho ter ganho o tal prêmio e por ter chamado atenção das pessoas sobre um aspecto que ninguém conhece muito da anencefalia.

Tá vendo como você me entende?!

Outros beijos,
Jeh

HoneyBee disse...

Se o valor dele for em reais, nessa crise que assola o mundo, pode-se dizer que não vale nada mesmo...

Iza disse...

Bom dia!
É o que sinto em relação aos mais novos. Se assistiu ao documentário The Corporation verá que a intenção é realmente esta, o consumismo e a vida medida em reais ou dólares.
Beijos!

Nanda Kiedis Declama disse...

Ah fico encantada com a sua capacidade de fazer mini-contos com tamanha preciosidade.
E esse texto então perfeito!!!
Uma boa lição de vida para os consumistas de plantão!!!

Bjs

30 e poucos anos. disse...

Que tóim heim?
Ótima sacada no texto.