Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

janeiro 21, 2008

Sem Sentido

Este é um poema simples - assim como todos os outros - que eu escrevi recentemente. Acho que ele prescinde de maiores explicações...


Quando era criança
Sentia no gosto da vida
A doçura da esperança

Então tornei-me adolescente
E vi o mundo se tornar
Uma festa efervescente

Mas agora que estou adulto
No escuro tateio como um vulto
Em busca do inefável indulto
Que me liberte deste viver

Autor: Jarbas Lima Alves da Silva


(É por tê-la em mira que o fardo da existência se torna suportável)

36 comentários:

Gu disse...

Muita expressividade nas poesias. Muito bem estruturadas.
Parabéns
abraço

http://madnessanddelights.blogspot.com

blog disse...

Gostei mais de "Caro Murphy" talvez até pelo fato de ser irônico, mordaz.
Este achei mais ingênuo - o que não significa que seja ruim.
Mas por que insistir nas rimas? apenas recurso estilístico ou necessidade?

Li Homem Comum, do Roth.
Excepcional.

Abraço

Gu disse...

Sim, o texto é meu!
Todos postados são, e devidamente registrados para que não haja problema!

Brigado, o texto é em formato de poesia, mas não o separei em estrofes pra dar outra conotação em quem lê; e a música foi só um equívoco do comentário, acho que foi por causa do título!

Feänor disse...

Ao Blog:

Não há motivo específico...

O próximo poema que postarei será sem rimas - já o separei aqui.

Mas creio que essa ingenuidade se deva ao fato de eu não ser um poeta. Essas proto-poesias simplesmente surgem como intrusas na minha cabeça quando estou perdido em alguns pensamentos. Daí eu as anoto...

O que eu realmente gosto é de escrever contos. Não que eu seja escritor - longe disso - mas, se fosse obrigado a escolher entre um ou outro, me definiria como escritor.

Thierry disse...

fenomenal!
bom saber que alguem incentiva a poesia.



[b]
www.meusquadrinhos.blogspot.com
Quadrinhos com um humor mais do que peculiar

Will disse...

"Apenas mais um escritor frustrado diante da inépcia de suas obras..."

é justamente assim que me sinto cara...

Everaldo Ygor disse...

Olá...
Mais um belo poema por aqui...
Para os momentos claros e escuros do dia-a-dia... Escreve é isso, com a pretenção maxima de escrever novamente e libertar-se...
Abraços
Everaldo Ygor
http://outrasandancas.blogspot.com/

Iaiá disse...

Na velhice você termina o poema. :)

beijos

Aa-dreano disse...

Puxa, cara, que depressão :(

Maria Regina disse...

E nas coisas mais simples encontramos os mais ricos instantes...
Gostei muito desse seu poema, talvez o mais lindo na minha opinião.
Um beijo

Louise Mira (Luly) disse...

Nossa, amei!

Escrevi um post com o mesmo titulo outro dia. era poema tb.

abraço e sucesso!

Krlesk disse...

liberdade elago real, ou imaginário nos dias de hj?


é verdade com tanta tecnologia o mundo tem mudado constantemente, as vezes nos fazendo perder a ecência de viver na simplicidade no nosso eu.

Bernardo Lima disse...

como em tds os blogs que visito a primeira vez, faço um comentário geral...
a poesia é simples e objetiva, gosto disso!
o banner ta maneiro...
talvez pudesse rolar um toq mais de desenho ao invés de foto, mas gostei da letra que vc usou..
do mais - pelo que vi no post a baixo, do "caro murphy", seu blog tem o conteúdo bem legal...
abraço!

Paulo César disse...

Muito boas, as suas poesias, gostei muito, não esquecendo: PARABENS!!

passa lá no meu> http://www.areaconfidencial.blogspot.com/

Nana Lopes disse...

A criança dentro de nos jamais morre.
No maximo a sufocasmo. Pense e deixe-a sair de novo!!
Boa semana!

Henriquezoviske disse...

Que pena que quando adulto ficou ruim.


Cuidado, quando ficar velho então...

Adriana disse...

Amei, você escreve muito bem! Tá de parabéns!
E obrigada pela visitinha no meu blog e por me desejar boa sorte em cálculo :) com certeza eu preciso rs
Lindo seu blog!! Vou passar mais vezes por aqui.
Uma ótima semana pra ti!

blog disse...

À espera de nova postagem.
Sejam poemas ou não. A quase licantropia de "O Lobo e o Camponês" deixou-me triste. Imaginei o desfecho mais rude, mais ultrajante.

Enfim.

Arthurius Maximus disse...

Um retrato da passagem do tempo e de como ele assola o homem. E quantos, de uma forma ou de outra, não pensam assim?

Ótimo poema.

Ycaro Coelho disse...

Ótimos textos ÓTIMO blog, adorei! Você escreve muito bem, viu? xD

Vírgula Antenada disse...

Já querendo morrer? Pareceu um cretino herói que conheço... A inteligência é sufocante, não é?
Gosto dos seus poemas.

young vapire luke lestat news disse...

Seu blog já é um dos meus favoritos....
Gosto muito do modo que desenvolve sua poesia...

[]s L.Sakssida

Kaue Person disse...

Parabens Jarbas
eu gosto de poesias tbm
e acho que vc escreve mto bem =D
seu blog esta supimpa!

http://whatafuckk.blogspot.com/

Rodolpho Costa disse...

Poesia legalzinha. =P

Não fique tão preso a rima, tá valendo...

http://rodolphocosta.blogspot.com/

LoS FanFarOeS disse...

parabens brother!!! vc escreve bem pra caramba!!! combina mtu bem as palavras!!! tah nu caminho irmão!!!

flow
abraçosss

Tudo foi pro Ralo disse...

Ah depois que eu li esta poesia me lembrei tanto da minha infância... que saudaaaaaaaaaaaaade.... Parabéns... Bjos

Nana Lopes disse...

jarbas menino!!pode escrever comentarios enormes que gosto de ler o que diz. Sempre são tão coerentes. Obrigada!!

José Vitor Rack disse...

bem prosaica. gostei!

João Victor disse...

uau...
parabéns aew...

Nati. Nah. Natália Siqueira ; disse...

lindo poema ;
adorei
:*

alexandre disse...

Na simplicidade se diz muitas coisas verdadeiras e fortes!
Vim agradecer a visita lá na Fábrica!

Jéssica Torres disse...

Conseguiu colocar de forma poética o turbilhão de duvidas que cada ser humano um dia desenvolve ao se dar conta da inevitavel passagem do tempo!
No entanto o que me chamou realmente atenção foi:
"É por tê-la em mira que o fardo da existência se torna suportável"
Tocante!

Maiara Mascarenhas disse...

Eu freqüento seu blogue, mas é curiosa a minha inapitadão para tecer comentários.

Do que seu texto me lembra? Sabe o Mário, o Quintana? Ele quereria ser adolescente. Eu acho isso peculiar nele porque a evasão da maioria dos poetas é voltada para a infância.

Gu disse...

Sim, alguns em cartório e alguns na biblioteca nacional. Apenas por uma questão de segurança, mas só registro os que publico.
Abraço

young vapire luke lestat news disse...

Aquele que aborta a poesia não é poeta.
Mas aquele que a pari, é com certeza.....


[]s L.Sakssida

Meerstempel Badist disse...

ótimo poema sobre as fases da vida.