Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

janeiro 11, 2008

Bile à Cavalo

Não tenho o que dizer sobre este proto-poema, pois ele é tão velho quanto o que o precede. Também invoco a tal da licença poética para assassinar o seu João da padoca: esfaqueei o portuga sem dolo homicida, apenas culpa poética...


De sabores eu entendo
Escute bem com atenção
O doce gosto da amizade
Sei bem - não tem comparação

De sabores eu entendo...
Ouve agora a razão
Provei do néctar da honra
E viciei no seu torrão

De sabores eu entendo?
Confuso estou com a emoção
Ora forte ela me torna
Noutra empurra-me ao chão

Dissabores eu entendo
Solta agora minha mão
Pois o amor me é amargo
Ácido feito limão
Talvez em sua abstinência
Encontre a minha salvação

Autor: Jarbas Lima Alves da Silva

20 comentários:

César Fernández disse...

Geeente...

O_O


Muito bom!
hehe

young vapire luke lestat news disse...

Olá poeta.......

Gostei muito do que li.
Versos bem colocados e rimados.
Falando de sabores,amizade, horra amores e dissabores...
Mas não se afaste do amor não...
Porque na poesia está a tua salvação.

[]s L.Sakssida

Gu disse...

Bem interessante sua poesia, muito completa e com muito sentido.
Agradeço o comentário, e é pra um amor atual, pela intensidade dos sentimentos. Se fosse pra um platônico provavelmente seria a "sopa de letras", sem paraágrafos!
Ah, topa uma parceria?
Abraço!

Lalo Oliveira disse...

Mto boa a idéia do poema. Mas parece mais um repente. De qualquer forma, gostei.

slim shady disse...

Muito bom cara,alias,para quem gosta de poema,aqui é um prato cheio,parabén.

http://cinemaafinseumadosedewhiskey.blogspot.com/

Be disse...

Post legal

seu blog é legal hein

abraço....

ISABELLA KRHAUS disse...

Achei muito bom mesmo

http://www.words-of-eagle.blogspot.com/

Vírgula Antenada disse...

Que traço forte você tem na escrita, uma maneira peculiar de se fazer entender, lúdico, sem imitar.
Gostei.

Vírgula Antenada disse...

Desculpe novo comentério.
É que li de novo e precisava reafirmar.
É. Você sente de maneira nobre.

itrug disse...

bacana seu poema. dá até pra transformar em HQ

Iaiá disse...

:)

Adorei o poema mesmo!

Lalo Oliveira disse...

Respondendo sua questão:

O texto "A menina e a humanidade", na realidade, surgiu de uma conversa minha com um indivíduo pseudo-desconhecido.
É, antes de tudo, um texto irônico. Retrata repulsão a pessoas que odeiam a humanidade, mas que além de fazer parte dela, tiram proveito de mto feito pela mesma. Conforto, consumismo, e etc.

Só acredito que alguém odeia a humanidade, quando este alguém se mata.

Abraço.

Bernardo Lima disse...

gostei das considerações iniciais...
rsrsrs
belo poema.
abraço

Ricardo Luiz disse...

Muito bom teu blog!
Vou colocar em minha lista de favoritos!!
Gostei mesmo!
Parabéns!

Arthurius Maximus disse...

Belo texto.
É incrível como um sentimento pode servir para inspiração em todas as suas situações. Se é magnífico, gera poesias belíssimas. Se é um fracasso, gera textos sofridos onde a alma do autor se esvai pelas palavras. O Amor é isso aí. O Céu e o Inferno num mesmo sentimento.

... Raphael disse...

Muito bom o poema, mesmo sem curti muito ultimamente estou lendo bons poemas e esse sem duvida é mais um deles !!

Parabéns !!

duda lima disse...

boooa a poesia :D
e o vestibular ?
:*

Má. disse...

Nooosssaa!
amei seu poema!
parabéns!
;*

Lívia Lessa disse...

Realmente muito bom!

Infelizmente existem poucos blogs assim como o seu: bem escrito!

Parabéns!

E com certeza voltarei mais vezes por aqui!

José Vitor Rack disse...

teu repertório é ótimo, parabéns