Bem-vindos, nobres espíritos!

Sintam-se em casa em minha humilde morada. Aqui vocês encontrarão alguns de meus loucos textos que ora lhes convido a ler e, se assim desejarem, comentar...

fevereiro 01, 2008

Republicação - Duelo dos Deuses

Todo poeta ou escritor, ainda que amador como eu, almeja por aquele indescritível lampejo de criatividade, aquela centelha de inspiração que lhe permitirá envolver em volúpias gráficas o virginal papel.


Durante a história de nossa raça, muitos foram aqueles que afirmaram possuir uma entidade responsável por lhes inspirar, por lhes insuflar os corações com o vigor criativo necessário para a produção de suas belas obras.

Ainda que eu não crie obras notáveis como tantos mestres que me precederam, mesmo eu possuo minha musa, aquela responsável por guiar minha pena com seu divino sopro inspirador. E à esta musa, minha Calíope pessoal, cujo nome não será aqui por mim desvendado - e para tanto alterei um nome desta história - dediquei esta obra, já que ela me inspirou em sua feitura.


...e os deuses não conseguiam concordar. A contenda atingiu tamanhas proporções, que decidiram resolver quem estaria com a razão através de um duelo.

- Vão, e tragam aquilo que possuir a maior beleza em toda Midgard. Aquele que trouxer o mais belo dos bens será o vencedor. - Disse Wotan, o Caolho.

E ao seu comando, os deuses partiram.

Passado algum tempo, os deuses retornaram. O primeiro a se apresentar fora Loki, e por isso ganhou ele o direito de falar antes de todos.

- Poderoso Odin, trago-lhe aquilo que desperta a maior ambição entre os homens e anões: o ouro, cuja beleza resplandecente cega até o espírito dos mais fortes.

- Belas são estas fortunas, e decerto trazem alento ao coração de seus donos. Mas sua beleza desaparece tão logo a cobiça se espalha pelo espírito, e traz o Caos às almas dos incautos - Replicou Odin - Diz tu, bravo Thor, qual foste a beleza que trouxeste?

- Poderoso Pai, trago diante de ti toda a beleza do mais belo dos animais de sacrifício. Este majestoso boi branco, cuja linhagem descende da sagrada Audumbla, não apenas demonstra beleza em sua aparência, mas também em sua função na terra: a de louvar os deuses com sua vida, e de alimentar os humanos com sua carne. Não há, portanto, maior beleza, pois este altivo animal ora sustenta os pilares da honra ao divino, ora abastece os próprios homens com sua força vital.

Odin analisou o boi com cuidado, e finalmente proferiu sua sentença:

- Certamente belo é o animal, e ainda mais belo é o seu destino. Porém, não passa de uma qualidade fugaz, um lapso se considerarmos que a ação responsável por alçar às alturas sua beleza é a mesma que ceifa sua vida, entregando tudo ao esquecimento. Mostra, agora, teu avatar da beleza, Bragi, e honra teu nome como senhor dos poetas!

- Meu senhor, trago diante de vós aquele que é o mais belo de todos os seres, e todos hão de comigo concordar. Pois eis aqui a mais bela das criações, cujo vislumbre arranca suspiros até dos mais gélidos corações. Não há nesta terra homem, anão, elfo, Vanir, Aesir ou Gigante que não lhe dedique belos pensamentos ao fitá-la. Falo da beleza impassível das belas damas que habitam Midgard, responsáveis pela própria dinâmica de toda existência. E não é nas suas nobres senhoras que os poetas buscam inspiração para criar suas mais estimadas obras? E não é por elas que tanto homens quanto deuses se lançam ao conflito, a exemplo do risco que correram Thor e Loki para não expor a bela Freya ao perigo nas garras do gigante Thrym? E não é, finalmente, de seu ventre que nasce a Vida, dando continuidade ao ciclo eterno que permite a nós apreciarmos o que há de extraordinário na Existência? Pois seu semblante reflete toda a sabedoria daquilo que existe, e mesmo um tolo declamará: não há, em qualquer dos nove mundos, ser mais belo que este.

Os deuses, admirados com as palavras do mestre dos bardos, começaram a ovacioná-lo em aprovação. Todos, à exceção de Loki, que prontamente interrompeu a solenidade, indagando o deus com escárnio na frente de todos:

- Bonitas são as palavras de Bragi, e merecido é seu título de senhor dos poetas. Porém, de que adiantam belas palavras, se de mãos vazias aparece o deus diante do mais sábio dentre os sábios? Se existe a beleza suprema que tu declamas, não sejas ganancioso. Mostre-a para nós! Não prive teus irmãos de tão bela visão!

E Odin, em sinal de aprovação, fitou os olhos de Bragi, como que incitando o deus a replicar os comentários maldosos do deus da trapaça.

- Certamente, não seria capaz de tamanho despautério! Desci até os reinos inferiores, e aqui não retornei de mãos vazias. É que a beleza que lhes trago é tão fulgurante, que certamente entorpeceria os sentidos daqueles que a vissem, tornando inútil discursar depois de a vós apresentá-la. Eis, aqui, a bela Vecantha! Mirem sua beleza, e digam se não tenho razão em meus declames!

E ao proclamar estas palavras, uma figura encapuzada surgiu no meio da sala, antes desapercebida no meio da multidão. Ela retirou seu capucho, revelando uma beleza ainda maior do que aquela por Bragi preconizada - e nem poderia ser diferente, pois ainda que proclamados pelo mestre das palavras, quaisquer elogios seriam insuficientes para descrever aquilo que mesmeriza até aos deuses. A pele alva e os cabelos sedosos contrastavam com a formosura de seu semblante, de tal sorte que até mesmo Freya, diva da beleza, enrubesceu diante da bela humana.

O silêncio que tomou o lugar custou a ser quebrado, mas nele, foi dito muito mais do que quaisquer palavras poderiam fazê-lo: que Bragi era, por unanimidade, o vencedor.


Autor: Jarbas Lima Alves da Silva

(Figura de uma Valquíria)


(Decidi republicá-lo porque faz tempo que não dou update aqui, mas to sem tempo pra criar um post do zero agora...)

33 comentários:

Pan ßox disse...

Bem, acho que meus poemas falam o básico, já que eu mesma não gosto de falar de mim, muito menos do que sinto.

Eu tenho muita coisa escrita, não só sobre perdas e anseios. Mas os desse tema, são os que mais gosto.
Já que todo mundo perde e anseia por alguem/alguma coisa, acho que as pessoas se identificam mais com eles.

Aa-dreano disse...

Procurei por Vecantha no google e não encontrei... personagem sua então :)

Bem, acho que essa história deve fazer bem mais sentido pra sua musa que pra qualquer outra pessoa :P

Aliás, parabéns pelo bom conhecimento da Mitologia Nórdica.

Dragus disse...

Bonito texto, e pelo que vi fez homenagem a moça apelidade Vecantha.

Ficou legal a beça a homenagem. =D

massai disse...

quem dera eu se escrevesse metade do que vc escreve rapaz....
sou teu fã já!
aosuhasu

passa lah no meu blog dpois!^^
ou na minha pag de poemas e textos
http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=30077

Bernardo Lima disse...

Realmente foi um grande texto e merece quantas reprises forem necessárias. Tb tento escrever algo legal de vez em quando, e, as vzs, até que consigo..rsrs

vlw

Gugu disse...

Muito bom o texto. Parabéns pelo blog em geral, as outras postagens também ficaram ótimas.

Patrícia Heidel disse...

Você escreve bem. Mas é muito formal nas palavras. Parece que tá escrevendo no seculo XVIII.

Arthurius Maximus disse...

Uma bela ode (podemos chamar assim). Afinal para uma musa nada como uma homenagem em grade estilo.

Excelente texto.

Patrícia Heidel disse...

Gostei ainda mais do que voc~e escreve depois que você me disse que não tem uma linguagem única, pois ela varia de acordo com a ambientação da estória. Seja lá como for, você tem muita imaginação.

Delírios da Del disse...

O conto é muito bom.

recomendo para ti ler, a série de quadrinhos sandman, acho que gostará...


=)


Grande beijo

Rafael disse...

Ainda quero ter um livro seu otografado.

Abraços \o/

[ JoãoFelipe ] disse...

nhá, realmente você tem uma linguagem um pouco antiga, ou melhor, um linguagem mai formal, mas eu gosto mesmo assim, gosto de mitologia, e gostei de seu texto, suas personagens e tudo mais. abraço.

Johnny M. disse...

Rapaz, eu tô besta, vc escreve bem demais, com elegância, sabendo usar bem as palavras, as expressões rebuscadas. Muito bom mesmo. Também me amarro em mitologia nórdica.
E valeu pelas indicações aos selos.
Abraço.

rato contra a vassoura disse...

você leva o enredo com maestria cara, e usando um universo todo particular, com elementos poucos usuais e mitológicos...

enfim... um enredista digno dos bons jogos de RPG

Portal Espetacular disse...

Parabéns pelo seu texto. Gostei muito da sua forma de escrever. Sucesso! Comenta lá no meu também: www.portalespetacular.zip.net

Abraços!

Nana Lopes disse...

Ta inspiradissimo hem Jarbas!!
Voce esta certo, sempre estamos a procura de uma joia em forma de ideia literaria.

Jairo Assunção disse...

Seja menos formal, mas ta ótimo, tem futuro.

Taynara disse...

Maravilhosa a história!! Bem escrita, envolvente...
E mitologia é sempre um assunto bom!!!

Bjs,

bem vindos a mim disse...

muito bom, bonito texto...gostei msm.
parabéns

Nigel Goodman disse...

muito bom o texto, lembra de quando eu jogava rpg de mesa e a galera ia entrando no clima

Nigel Goodman disse...

muito bom o texto, lembra de quando eu jogava rpg de mesa e a galera ia entrando no clima

Lalo Oliveira disse...

Mitologia nórdica! Muito bom, cara. Linda forma reverenciar sua amada. Bom mesmo, parabéns.

luandersonplayplay disse...

Muito bom seu blog um do melhores tchau.

Tyaguim disse...

Vecantha?
Ótimo conto..
um contão!!!!
Homenagem e tanto...
Se foi você que a fez, parabéns. Mesmo se não..parabéns também!
Ótimo!

Nanda Kiedis Declama disse...

Olha sua mais nova fã nº 1
hauahuaha
Nossa belo texto!!
Sortuda essa sua musa heim!!!!

Bjs

Kid disse...

Muito bonito o texto e realmente lembra rpg de mesa!

Lizandra disse...

urrú,vc escreve bem... (:

ta bom de publicar um livro...huahuahua...

so q não vai escrever com essas palavras,é pq é complicado..hehehe....

mas o texto ta muito bom...
;)

Alex Phoenix disse...

Cara, ótimo texto e idéias que te fazem viajar ao ler... Parabéns!

Espero que goste do meu blog também! Abraço!

Anônimo disse...

parabénss!! vcé seguro ao escrever, escolhe bem as palavras... parabénsss msm

Delírios da Del disse...

Me inspirei em seu comentário no meu blog, sobre a Morte, para criar a postagem de hoje.

Ficaria deveras lisonjeada se você pudesse ler, e comentar se possível.

;D

Nana Lopes disse...

Bom feriado jarbas!!

bee disse...

HAHA, pior que eu nem posso dizer "Que nada! Aqui tem chopp bom sim!" porque eu nem bebo XD

Nanda Kiedis Declama disse...

Não sei te informar quem traduziu o poema, já procurei saber mais sobre a autora e todas as páginas que encontrei era em outra língua.

Bjs